ENTREVISTA

MAURÍCIO LANDIM, SECRETÁRIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER DE SÃO PAULO
 

Jornalistas

Ivo Bosaja Simon | Patrícia Simon Mattos | Matheus Dalcim

11/06/202

A retomada dos eventos esportivos vai seguir os protocolos de saúde para garantir a segurança da população. Para Landim, a pandemia mostrou como o esporte é fundamental para a economia do país e também vai fazer as pessoas refletirem sobre a importância do esporte para a qualidade de vida.

Qual a importância desse Fórum neste momento de pandemia com as medidas de isolamento e quarentena?

O Fórum é de extrema importância, pois estamos vivendo uma situação inédita. É um momento de união de forças e ideias para debatermos as medidas que devem ser tomadas para que possamos minimizar o impacto da quarentena e da suspensão das atividades esportivas. O Estado de São Paulo começou a flexibilizar a quarentena em 1º de junho, o que é uma excelente notícia. Vamos trabalhar para seguir todos os protocolos estabelecidos pelas autoridades de saúde, para que a volta das atividades esportivas seja segura para todos.

O apoio do vereador Rodrigo Goulart tem sido fundamental para a realização do Fórum. O evento será muito importante para que, juntos, todos os setores que envolvem o esporte no país, encontrem soluções para a retomada após a crise provocada pelo novo coronavírus.

 

Como a SEME está administrando as ações, ja que a pandemia levou a fechamentos dos Centros Esportivos e cancelamento dos treinamentos e das competições?

O que fizemos foi postergar todas as atividades que estavam programadas. Não cancelamos os eventos e competições que estão na nossa agenda em 2020. Nossa ideia é que todas, dentro do possível, sejam realizadas no segundo semestre. São muitos os eventos realizados ou que têm o apoio da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEME). Temos as atividades nos Centros Esportivos, as competições dos atletas do Centro Olímpico, o apoio a corridas de rua, competições de artes marciais e ainda os Jogos da Cidade, Circuito Esportivo. A SEME também faz parte da organização da Taça das Favelas, enfim, são muitos os eventos que ficaram para o segundo semestre e vamos trabalhar muito para que sejam realizados. É importante também destacar a participação social da SEME na pandemia. Nossos médicos foram colocados à disposição da Secretaria Municipal de Saúde,  e alguns Centros Esportivos estão abrigando pessoas em situação de vulnerabilidade social. Nossos professores de educação física gravaram dezenas de vídeos com orientações para atividade física em casa; esses vídeos foram disponibilizados em nossas redes sociais para toda a população. Criamos o programa Mexa-se São Paulo, em parceria com duas academias e com a Secretaria Municipal de Habitação, que leva atividade física para moradores de conjuntos habitacionais. Nossos servidores também participam do Cidade Solidária, um programa de voluntariado da Prefeitura de São Paulo em parceria com entidades da sociedade civil. Enfim, o que parou durante a pandemia foram os eventos e atividades esportivas, mas a SEME em nenhum momento cruzou os braços, o que fizemos foi voltar nosso foco para ajudar a população nesse momento difícil. Foi essa a orientação que recebemos do prefeito Bruno Covas.

 

Qual o impacto social na saúde e na economia dos esportes?

O impacto é enorme, preocupante para todos nós. O esporte é muito importante para a economia, gera empregos em diversas áreas. Há muito trabalho e investimento por trás de um evento ou de uma competição esportiva. Para darmos um exemplo, um evento esportivo envolve gastos com segurança, alimentação, equipe médica, pessoal de apoio, uniformes, mídia em geral, transporte.  São muitos empregos que envolvem toda essa cadeia. Só para termos ideia, um estudo feito pela empresa de marketing esportivo Sports Value mostra que o esporte profissional deve perder US$ 15 bilhões neste ano em todo o mundo por causa do novo coronavírus. Cada  US$ 1 dólar que uma liga esportiva profissional movimenta pode gerar até outros US$ 2,5 na economia. Se somarmos tudo isso com a movimentação na economia que o esporte amador também gera na economia vamos chegar a cifras astronômicas. Se pensarmos na pessoa que pratica corrida, por exemplo. Há gastos com tênis, roupas; o grupo de amigos que se reúne para jogar futebol movimenta economia com a compra de equipamentos, aluguel de algum espaço; são muitos os exemplos. Esporte é saúde e qualidade de vida, importante para o convívio social e também para a economia.

 

Qual a sua opinião sobre a decisão tomada pelas autoridades do esporte tanto no Brasil, quanto no mundo, como no caso, em relação de campeonatos e os jogos olímpicos?

A prioridade agora deve ser a preservação de vidas. Como a maioria dos esportes envolve o aglomeramento de pessoas, aumentando o risco de contágio, faz todo sentido o adiantamento das Olimpíadas e dos demais eventos esportivos em 2020.

 

Como as empresas e a sociedade, em geral, podem ajudar?

O momento exige uma união de forças. Todos os players do esporte precisam estar juntos buscando soluções para que a retomada seja contundente e eficaz. Acredito muito nessa união. Assim que as atividades esportivas forem liberadas pelas autoridades de saúde vamos retomar nosso calendário de competições, de acordo com os protocolos estabelecidos. É importante essa consciência, não podemos relaxar. Temos que agir da forma correta, para que todos os esforços e sacrifícios que já foram feitos não sejam perdidos.

 

O modelo de eventos dos jogos onlines pode ser uma alternativa para isso?

Na verdade um não substitui o outro. É uma nova oportunidade que se abre e que pode ser feita juntamente com o modelo tradicional. Acredito que essa pandemia também vai fazer as pessoas refletirem sobre a importância de cuidar da saúde, e nisso o esporte é fundamental. A prática regular é uma importante ferramenta na prevenção de diversas doenças. Teremos, com certeza, um olhar voltado para a saúde depois que tudo isso acabar, e essa será uma das grandes lições da pandemia: o esporte como qualidade de vida.

 

 

Maurício Bezerra Landim é administrador e empresário. Iniciou a carreira na multinacional Oracle, depois passou a administrar suas próprias empresas. Desde 2010 exercia a função de assessor parlamentar do deputado Guilherme Mussi. Assumiu o comando da Secretaria Municipal de Esportes em 16 de dezembro de 2019.

 

O Fórum Impacto Econômico no Esporte Fitness Covid-19 é uma realização da Federação Paulista de Esportes & Fitness (FPEFIT), promoção da Associação Brasileira da Indústria do Esporte (ABRIESP), com apoio da Associação Brasileira de Academias (ACAD), Conselho Regional de Educação Física da 4ª Região (CREF4/SP), Sebrae, Fundação Getúlio Vargas, Sindicato dos Profissionais de Educação Física de São Paulo e Região (SINPEFESP), Apex Brasil, CRCSP, ABDI e Associação dos Cronistas Esportivos do Estado de São Paulo (ACEESP).

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branco Twitter Ícone

©2020 BY FÓRUM IMPACTO ECONÔMICO NO ESPORTE FITNESS COVID-19